sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Fronteiras


Procurei distante, porque perto já não enxergava nada. Uma nuvem, bruma, fumaça: Socorro! Um grito ecoando no vazio, e desespero dentro do quarto, da casa, da cozinha, no limite de tudo, do caber em si de tanto pensar e comer e rezar e viver e não por pra fora tudo isso que é muito e não se sabe bem organizar em parágrafos, frases, palavras, apenas caos, caos, fumaça. Começou assim, de leve, como uma vontade de não estar mais sozinho, de ter alguém para dividir o fogo, o prazer, o jantar, a garrafa de vinho, a cama. Depois foi crescendo, como um bolo no forno, subindo, subindo, o desejo enorme, a solidão beirando a forma, o risco de transbordar, de derramar e depois o trabalho de limpar tudo, mas não teve jeito, caiu, passou da borda e começou essa fumaça adocicada, chocolate, e foi aumentando o desejo, os pensamentos foram e vieram, trouxeram a imagem precisa, mas as coisas andam tão imprecisas, não ando tendo conversas e ando até impaciente. É isso, era mais ou menos nisso que queria chegar, no fato de ter de romper espaços, de ir mais longe, de sair da casca, da casa, da rua, estourar os limites, ultrapassar as fronteiras que me impedem de ver o inevitável, de perceber o quanto estou me escondendo por detrás desta fumaça de bolo queimando, desta bruma de romance inalcançável. Isso. 

Novos espaços, outros cantos


Cabeças Cortadas Universo de Retalhos - Parceria com minha irmã Danielle Freitas

Os que me olham, me sentem e me acomapanham

Contador de visitas

Contador de visitas