quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Para falar de saudade


 




Pensei em você hoje. Pensei por todo dia. Na verdade mesmo, ando com você em meus pensamentos. Nos caminhos que nos separam, nas pontes que nos une. No quão lindo é seu sorriso, espontâneo, cheio de vida; como o mundo fica mais colorido quando você se veste de alegria e sorrisos, e o planeta é tão cheio de cores todos os dias por você estar nele. Penso no seu mau humor sinistro pelas manhãs, até você por algo para tocar – as vezes Bethânia, noutras Gal ou Gil, mas sei que está triste quando coloca o disco da Nana ou saudoso com o da Elizeth. O café da manhã que preparo e depois saímos para a nossa lida diária. Logo após o almoço lembro do cochilo, de você dizer que acorda mais disposto e quando levanta, o chá de capim limão, o cigarro, o incenso de alfazema. Lembro disso com sorriso nos lábios. De noite, o cheiro da sopa que fez para mim e você comendo salada com atum que eu sempre reclamo por não gostar e você se esbaldando e rindo. Vou para a rede, de onde estou te vejo e você me vê. Daqui a pouco você ri enquanto me olha e me derreto todo. Pergunta se quero que balance a rede, sabe que gosto, mas sempre pergunta e vem depois que digo que sim, e conversamos banalidades. Falo do meu dia, você me conta sobre o seu, das fotografias, da luz, dos ângulos e me encanta te ver falar com paixão, daí você se deita comigo, prepara e acende um fininho e vamos nos esquentando com todo calor e erva. As vezes põe o disco do Chico ou Caetano, e canta alto, empolgado e me beija sem demora. Silenciamo-nos ouvindo a canção. Lembra quando compramos o disco da Ângela Rô Rô e ao tocar “amor, meu grande amor”? Você me olhou tão profundamente e depois me beijou com volúpia. Fizemos amor na sala, no banheiro e na cozinha logo após bebermos água e nos vimos com fome um do outro, de comida, de vida. Você pediu para eu fazer uma massa. Disse que meu tempero era gostoso, lembra? Lembro-me. De tudo. Como se fosse um filme. E amo cada detalhe, por que você está em tudo, inteiro, sempre. Escrevi porque a saudade está assolando. Sei que só fazem dois dias que foi ver sua mãe, seu pai, seus irmãos. Mas eu fiquei aqui com os detalhes todos que você me dá. Como estão todos aí? Diga que mando beijos. E que irei contigo da próxima vez. Antes de dormir, liga. Quero ouvir sua voz. Quero saber do seu dia, quero seu sorriso, mesmo que distante. Aqui está tudo bem, tirando a saudade. Alimentei-me direitinho. Tomei a sopa que você deixou na geladeira – deliciosa como sempre. Bom, aguardo sua ligação. Alonguei-me, não é? Precisava dizer o quanto você é importante, o quanto tenho amor por você. E paixão. Paixão demais. Fiquei excitado só em escrever. Ops! Amo. Amo você.

Beijo
 
 

Novos espaços, outros cantos


Cabeças Cortadas Universo de Retalhos - Parceria com minha irmã Danielle Freitas

Os que me olham, me sentem e me acomapanham

Contador de visitas

Contador de visitas