segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Minha alma num papel


Pego um pedaço qualquer de papel

Quero escrever, preciso escrever

Deixo minha alma correr

Ela segue o curso da minha mão

Voa e depois pisa descalça sobre o papel

Meus sentimentos mais ousados

Meus desejos mais natos

Minhas palavras mais lavadas

Muito do que eu poderia dizer

E não disse,

Não quis,

Não pude.

Minha alma livre e nua.

Sem medo de se por a prova.

Minha alma enfeitiçada, reflexo da paixão.

Ela feliz, com medo e indo em frente.

Minha alma não quer se esconder, ela quer se juntar.

Ela não quer sofrer, só quer amar.

2 comentários:

Bruno Lopes disse...

Pliniooooooooo , ta bala o blog, essas coisas ai to ligado que voce copioou do meu cadernooo auhauahauahauhaauhauh

abracoo

Nagia disse...

Que poeta mais maravilhoso é este que está despontando?
Me orgulho por demais de você!
beijocas

Novos espaços, outros cantos


Cabeças Cortadas Universo de Retalhos - Parceria com minha irmã Danielle Freitas

Parte de mim - o que vira escrita...

Os que me olham, me sentem e me acomapanham

Contador de visitas

Contador de visitas